‘Garigata’ viraliza em redes sociais ao mostrar rotina de trabalho pelas ruas de Juazeiro do Norte

Foto: Reprodução

A gari Ester Santos, mais conhecida pelo apelido carinhoso de “Garigata”, ganhou as ruas de Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, com a sua profissão. Nas redes sociais, ele costuma mostrar o dia a dia de forma divertida, desconstruindo qualquer imagem negativa que algumas pessoas têm sobre o ofício.

Ester tem 20 anos e recebeu o apelido de “Garigata” por amigos de trabalho. O apelido logo se espalhou pelas ruas de Juazeiro, onde ela é reconhecida pelas pessoas.

“Quando eu estava varrendo a rua, os meninos da coleta passavam no caminhão do lixo e falavam: ‘bom dia, Garigata’. Começou dentro da empresa, com os parceiros de trabalho mesmo. E como a população via eles falando comigo, o pessoal ouvia eles me chamando de ‘Garigata’. Até que teve um certo dia que uma senhora falou: ‘ei, Garigata’. Aí com isso, a população de onde eu varria começou a me chamar assim”, disse Este.

A jovem passava por dificuldades financeiras, com um filho de apenas um ano para criar, quando conseguiu o emprego de gari. Ela atualmente trabalha para uma empresa terceirizada que presta serviços para a Prefeitura de Juazeiro do Norte.

“Desde do dia que eu comecei [a trabalhar como gari] eu estava feliz por ter conseguido um emprego. E aí peguei um amor pela profissão. Danço e brinco com todo mundo enquanto trabalho”, conta Ester, que já trabalha há três anos e 11 meses como gari.

O último vídeo publicado pela “Garigata” em uma rede social já conta com quase 4 milhões de visualizações. Na mesma rede social, a gari soma 54 mil seguidores.

Como trabalha varrendo as ruas de Juazeiro do Norte, Ester sempre encontra documentos perdidos, além de outros objetos. Ela usa a rede social para divulgar o que achou e logo em seguida também posta o documento ou objeto sendo entregue a quem pertence.

Apesar de todo o carinho recebido nas ruas e até mesmo pela internet, Ester não deixa de ser alvo de comentários maldosos de pessoas preconceituosas com a sua profissão.

“No vídeo que viralizou esses dias tem vários comentários chatos. Pessoas mandando eu estudar, sendo que já terminei meus estudos. E sem contar o nojo que algumas pessoas tem dos garis. Já teve loja que eu saí constrangida pois a vendedora não me atendeu porque eu estava de farda”, relata Ester.

Ester vê no trabalho como gari uma forma de mostrar às pessoas que o trabalho, “independente de qual seja ele, não é vergonha”.

Apaixonada por polícia, a jovem tem o sonho de se filiar a algum partido e se candidatar como vereadora em Juazeiro do Norte para, segundo ela, lutar pelos direitos trabalhistas, saúde e educação.

G1-CE

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais notícias

Publicidade