Várzea Alegre teve o melhor inverno das últimas 3 décadas

(foto: Ascom / SSPDS)

O município de Várzea Alegre recebeu em quatro meses volume de chuva superior ao acumulado em todos os últimos 33 anos. Já são mais 1.400 milímetros em 2022. No entanto, há pouco o que comemorar. Este índice trouxe prejuízos generalizados.

Devido aos grandes volumes, 70 famílias estão recebendo suporte financeiro da Prefeitura, outras seis tiveram que sair permanentemente de suas casas, plantações foram completamente perdidas e até a produção de mel foi afetada. Um prejuízo ainda incalculável.

A perda foi de até 80% da lavoura. A agropecuária também foi afetada, já que a alimentação do rebanho ficou inviabilizada em muitas áreas. Tivemos perdas ainda na apicultura e bovinocultura. Os prejuízos foram muitos”, descreve o secretário da Agricultura de Várzea Alegre, Matias Alves.

Entre janeiro a abril deste ano, choveu 1.439,3 milímetros, volume quase 50% superior à média histórica anual do Município de Várzea Algre, que é de 961.6 mm. Mesmo ainda restando todo o mês de maio (o último da quadra chuvosa) e dezembro (mês que se inicia a pré-estação chuvosa), este volume já é o maior das últimas três décadas, ficando atrás apenas do ano de 1989. Caso as precipitações sigam a atual tendência e o mês de maio feche dentro da média, o ano de 2022 se tornará o ano mais chuvoso das últimas cinco décadas.

Nos quatro meses iniciais deste ano, apenas fevereiro fechou com chuvas abaixo da média em Várzea Alegre. Nos demais meses, o Município obteve mais que o dobro da pluviometria esperado. A média histórica de janeiro para a cidade é de 155,7 milímetros e ocorreu 321,9 mm.

Em março, choveu 551 milímetros, o que representa 145% acima da média, que é de 224,6 mm. No mês de abril, novamente bons volumes contabilizados. A média para abril é de 193,9 mm e, ao longo dos 30 dias, choveu 424,2 mm. Já fevereiro choveu 19,6% abaixo da média (177 mm).

Diário do Nordeste

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais notícias