Dirigentes, jogadores e técnico do Crato são denunciados por suspeita de manipulação de jogos

Foto: Divulgação/FCF

A Procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (TJDF) denunciou oito pessoas envolvidas no caso de suspeita de manipulação de jogos no Campeonato Cearense. Entre eles, técnico, jogadores e dirigentes do Crato. O documento foi entregue no último domingo (24) ao Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Ceará, que deve marcar julgamento na Comissão Disciplinar. O Diário do Nordeste teve acesso ao documento, que traz alguns detalhes do inquérito.

DENUNCIADOS

Na peça da Procuradoria, alguns trechos do inquérito sigiloso que investiga o caso mostram as relações estabelecidas entre os envolvidos. Outros nomes são citados no documento, mas não foram denunciados, pois o órgão entendeu que não houve provas suficientes. Assim, os denunciados são:

Geislucio Gonçalves Alves (Lúcio Barão) – Foi diretor executivo do Crato no início da temporada de 2022. Em 2020, ele esteve como presidente do Barbalha FC, afastado do cargo após ser acusado de manipulação de jogos.

Leone Barros Costa Junior, Elry Enio Bezerra da Silva e Dagson dos Santos – Jogadores que atuaram no Barbalha em 2020 e integram o time do Crato nesta temporada.

Jeferson Alberto Marques de Oliveira, Alessandro Silva Pereira Barros ‘Alemão” e Jânio Fialho de Aquino – Dois jogadores do Crato e o técnico, respectivamente. Cleuson Ivan de Souza Barros – presidente do Crato.

SEM PUNIÇÃO AOS CLUBES

O documento da Procuradoria ainda ressalta que apenas pessoas físicas terão responsabilidade apurada, pois houve compreensão de que não há envolvimento das agremiações.

PUNIÇÃO

O julgamento vai para a Comissão Disciplinar do TJDF-CE. Ainda não há data marcada. O grupo deve ser denunciado no art. 243-A, do CBJD, que dispõe:

“Art. 243-A. Atuar, de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida, prova ou equivalente.”

As penas podem variar de multa (de R$100 a 100.000 reais) a suspensão de seis a doze partidas e outros desdobramentos, como cita o documento da Procuradoria.

“PENA: multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00  (cem mil reais), e suspensão de seis a doze partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, ou pelo prazo de cento e oitenta a trezentos e sessenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código; no caso de reincidência, a pena será de eliminação.”

INQUÉRITO

Por meio de nota, o Ministério Público informou “que o processo segue em caráter sigiloso e que o órgão está trabalhando para conceder o resultado sobre o caso o mais rápido possível.”

ENTENDA O CASO

O Crato é investigado por suspeita de manipulação de jogos no certame estadual após denúncia da Federação Cearense de Futebol (FCF). O time caririense acabou excluído da competição após ação movida por Maracanã e Icasa. A decisão do TJDF-CE não afetou a tabela da competição. Fortaleza e Caucaia fizeram as finais do Cearense no fim de abril, com o Tricolor do Pici conquistando o título na Arena Castelão.

Diário do Nordeste

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais notícias

Publicidade