Vereadora Dra. Yanny dirige audiência pública sobre Transtorno do Espectro Autista

Foto: Josimar Segundo

Vereadora Dra. Yanny Brena propôs e conduziu a discussão

A Câmara Municipal de Juazeiro do Norte realizou, na manhã dessa sexta-feira (29), audiência pública para tratar sobre a Assistência Municipal às Crianças Autistas, que atinge cerca de 573 crianças laudadas em 92 escolas na rede Municipal.

De acordo com a Assessora de Inclusão da Seduc, Lucélia Sampaio, no Município tem 573 crianças com TEA diagnosticada, e 964 crianças com deficiência, “podem surgir muito mais no decorrer do nosso trabalho,” explicou a assessora.

A Secretaria de Desenvolvimento Social e Trabalho (SEDEST), por meio da Secretária Josineide Pereira, vem buscando algumas alternativas para melhorar o trabalho, “fizemos algumas reuniões para discutir sobre o assunto, inclusive fizemos algumas capacitações no mês de abril com os profissionais dos CRAS de todos os equipamentos da SEDEST.”

Para receber melhor as mães e as crianças, é preciso fazer um trabalho de qualidade com capacitação, “no CRAS do São Gonçalo, já está sendo desenvolvido um grupo com as mães de crianças autistas”, afirmou a Diretora de Proteção Social Básica Isabella Angelo.

Segundo a Vereadora Dra. Yanny Brena, “desde que comecei o meu mandato tenho ouvido muitas mães, e constatei que mais do que cuidar das crianças é cuidar das mães, muitas não sabem como lidar”.

Além de saber lidar com as crianças, muitas mães sofrem com a violência doméstica, “o trabalho é gigantesco, é desafiador, precisamos de parceiros, da Sedest, da saúde, precisamos da sociedade, para poder estarmos discutindo e fazendo uma inclusão mais eficiente”, afirmou Lucelia Sampaio.

Gilmara é mãe de um jovem autista de 21 anos, e aos 41 anos de idade descobriu que também é portadora de TEA, “eu me culpava me cobrava, não me entendia e não me aceitava. Então quando você tem um diagnóstico você começa a entender e começa a tratar.”

Francisca Gomes é mãe de uma criança autista, que há dois anos não recebe atendimento de fono e que nas escolas não tem monitores. A mesma também relatou que muitas crianças sobrem bullying na escola, “uma adolescente de 13 anos sofreu bullying na escola no Jardim Gonzaga, a menina teve o cabelo cortado e não quer ir estudar,” relatou a mãe.

Segundo Francisca Gomes, “é preciso que a direção da escola se reúna com os profissionais e com os pais para conversar, não é o autista que precisa se adaptar ao mundo dos outros, mas que os outros precisam se adaptar ao mundo do autista, porque se não aprender em casa a respeitar uma criança com autismo ou outra deficiência, as coisas não irão melhorar.” finalizou Francisca Gomes.

Matéria: Mirelle Eufrásio

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais notícias