Ex-prefeito de Barro Marquinélio Tavares é condenado a 13 anos de prisão, por fraude em licitação

Foto: Reprodução

A Justiça condenou o ex-prefeito de Barro, José Marquinélio Tavares, o seu irmão Francisco Marlon Alves Tavares e Antônio Severino de Sousa pelos crimes de desvio de verbas públicas e fraude em processos licitatórios.

De acordo com a sentença, nos anos de 2008 e 2010, Marquinélio e os demais condenados fraudaram licitações realizadas no município de Barro visando à contratação de serviços de exames laboratoriais de diversos tipos, através da Secretaria de Saúde direcionando a adjudicação à empresa titularizada pelo irmão do prefeito e desviando verbas públicas em favor do licitante. As licitações foram vencidas pela Associação de Proteção e Assistência à Maternidade e à Infância de Mauriti (APAMIM), representada por Antônio Severino de Sousa.

A empresa APAMIM promoveu a subcontratação por terceirização de serviços da empresa FM Alves Tavares-ME, pertencente ao terceiro réu, Francisco Marlon Tavares, que é irmão de Marquinélio Tavares, realizando o esquema de triangulação visando ao afastamento da barreira do nepotismo.

A sentença, proferida pelo juiz substituto, Luzinaldo Alves Alexandre da Silva, prevê a pena de 13 anos e 06 meses de reclusão e 07 anos e 06 meses de detenção, além de multa no valor de R$ 352.692,00 ao ex-prefeito Marquinélio. Francisco Marlon Alves Tavares e Antônio Severino de Sousa também foram condenados a 13 anos de prisão e ao pagamento de multa de R$ 176.346,00 cada.

Os três condenados ficaram proibidos de exercer cargos ou funções públicas pelo período de 5 anos. O juiz concedeu direito de os condenados apelarem em liberdade.

Deixe seu comentário

Mais notícias