Ceará chega à marca de 23 açudes sangrando; saiba quais regiões estão mais críticas

Foto: Reprodução

As volumosas chuvas deste início de ano contribuíram de forma significativa para elevar o volume médio dos açudes cearenses monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Prova disso é a quantidade de reservatórios que atualmente estão sangrando no Estado: 23 ao todo. Além disso, os 155 açudes concentram 30,1% de volume armazenado, melhor índice desde 2014.

Entre janeiro e este início de abril, esses reservatórios já conquistaram aporte hídrico de 2,1 bilhões de metros³. Mesmo estando ainda no começo do quarto mês do ano, 2022 já tem aporte maior que o registrado em todo o ano de 2021. Este aporte atual também já é superior à recarga conquistada em anos como 2012, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017.

Ele ilustra que grandes açudes, como o Banabuiú – terceiro maior do Estado – e o Castanhão – maior açude público para multiplo uso da América Latina – estão com volumes abaixo de 20%. Contudo, apesar de pregar cautela, Rebouças reconhece a importância de tais aportes conquistados.

“Embora sejam açudes de importância local, eles acabam beneficiando os maiores. Para esses grandes reservatórios sangrarem, primeiro os pequenos têm de encher. Então, é importante, só não podemos analisar o número de forma isolada e achar que temos água garantida”, ressalta o diretor da Cogerh.

Diário do Nordeste

Deixe seu comentário

Mais notícias