Guardadores de experiências do sertão apontam fortes chuvas para o Ceará

Foto: Reprodução

A menos de um mês para o início da quadra chuvosa no Ceará (fevereiro a maio), agricultores e os ‘profetas’ da chuva olham para os sinais da natureza e opinam segundo as experiências herdadas de antepassados se neste ano o Estado terá ou não boas chuvas. Reunidos no sítio Aroeiras, zona rural de Orós, a 350km de Fortaleza, na região Centro-Sul cearense, sob a sombra de um Juazeiro, árvore típica da Caatinga, um grupo de observadores apresentou suas experiências na manhã dessa quinta-feira, 6. As previsões foram consensuais e apontaram para muitas chuvas.

Os guardadores de experiências que receberam como legado dos pais e avós estão animados. “Para mim, o nosso inverno já começou e está muito bom, e as chuvas ainda serão mais fortes”, disse o produtor rural Ésio Barros. “As seis pedras de sal, colocadas sobre o telhado da casa na véspera do dia de Santa Luzia (13 de dezembro) ficaram todas bem molhadas, isso indica que teremos chuvas até junho.”

Para o poeta popular e profeta, José Santana, “as experiências foram todas favoráveis e todos vamos ver que os açudes vão encher, que teremos chuva em demasia”.

Outro observador da natureza, o agricultor Francisco Vitor comentou sobre chuva no dia de Natal, posicionamento da estrela D’Alva, sementes de cumaru em abundância. “Tudo indica fortes chuvas neste ano”, pontuou.

Amilton Alcântara começou a seguir as observações feitas pelo pai durante décadas, e elas se relacionam com o vento Aracati. “Foi muito favorável, mas chuvas fortes serão em abril para encher rios e açudes”, afirmou.

Cada agricultor traz sua experiência e compartilha com outros produtores rurais e convidados. O evento é promovido pelo músico Zé Vicente, parceiro do padre Zezinho, em uma área preservada, que mantém a memória de sua família. “Valorizar a cultura popular do sertanejo e preservar essa tradição em nosso meio é esse o nosso objetivo”, explicou. “Neste ano, tudo já está verde no sertão e esperamos boas chuvas e ótima safra para colheita de milho, feijão e arroz no campo e fartura na mesa do agricultor.”

 

O Povo

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais notícias

Publicidade