Anvisa aprova uso da CoronaVac em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos não imunossuprimidos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou unanimemente, nesta quinta-feira (20), o uso da CoronaVac em crianças a partir dos 6 anos a adolescentes de 17 anos, que não sejam imunossuprimidos. A decisão determina que o imunizante seja administrado em duas doses, com intervalo de 28 dias entres elas.

A determinação foi tomada pela diretoria colegiada do órgão, composta por cinco membros. Na reunião pública, realizada por videoconferência e transmitida nas redes sociais, todos os integrantes, incluindo o diretor-presidente Antônio Barra Torres, acompanharam o voto da diretora relatora, Meiruze Sousa.

Na ocasião, os dirigentes destacaram que a relação risco-benefício da CoronaVac demonstra que os efeitos positivos da vacina superam os ricos do uso em crianças e em adolescentes. Outro ponto levantado pelos membros da Anvisa, foi a inexistência de medicamentos para o tratamento da doença nas faixas etárias abaixo dos 12 anos.

BUTANTAN FORNECEU NOVAS INFORMAÇÕES

Em agosto do ano passado, o órgão regulatório negou o primeiro pedido de ampliação do uso emergencial do imunizante ao público da faixa etária. Na época, os diretores pontuaram que não haver dados suficientes sobre a eficácia da aplicação do fármaco nesse grupo.

No entanto, em janeiro deste ano, a Anvisa apreciou a segunda solicitação realizada pelo Butantan sobre o assunto, a partir de novas informações enviadas pela instituição. Na semana passada, técnicos da agência se reuniram com infectologistas e pesquisadores no Chile, onde o imunizante já é aplicado em crianças

INCLUSÃO NO PLANO DE VACINAÇÃO INFANTIL

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, declarou, na terça-feira (18), que, caso fosse aprovada pela Anvisa, a CoronaVac seria incluída no plano nacional de imunização.

Antes da decisão desta quinta-feira da agência, apenas a vacina infantil produzida pela Pfizer estava autorizada para ser usada em crianças e adolescentes.

Diário do Nordeste

Deixe seu comentário

Mais notícias

Publicidade