Prefeito eleito em Barro pediu adiamento da posse para não ter ‘vínculo’ com gestão anterior

Foto: Divulgação

Diante de uma eleição atípica, como ocorre nos pleitos suplementares, é natural que os gestores eleitos tentem, a todo custo, antecipar a posse para correr atrás do prejuízo e começar a implantar os projetos pensados para o período de gestão. Não é o caso do município do Barro, no Cariri cearense.

A data, que poderia ter sido antecipada, tendo em vista que o eleito foi diplomado pela Justiça Eleitoral no último dia 15, acabou sendo postergada a pedido do próprio gestor.

“Temos notícias de salários atrasados, mas a situação já estaria sendo solucionada pela gestão atual. Então, pedimos para tomar posse no dia 1º para não ter nenhum vínculo com a gestão passada”, disse o gestor em contato com esta coluna na semana passada.

Dr. George foi eleito na oposição ao prefeito cassado Marquinélio Tavares. Ele venceu a eleição suplementar com 6.886 votos, cerca de 56% do total. O emedebista derrotou a candidata do PSD, Vanda, que obteve 5.211, cerca de 43%.

Vereadora e presidente da Câmara Municipal, ela reassume o mandato no Legislativo até 2024. “Temos uma boa relação. E quero continuar assim, embora tenha sido eleito na oposição”, disse o gestor.

SAÚDE COMO PRIORIDADE

Dr. George é médico e diz que o Município enfrenta dificuldades na Saúde e que esta será uma área de prioridade para a nova gestão. Filiado ao MDB, ele é aliado do ex-senador Eunício Oliveira.

A posse dele, então, está marcada para o primeiro dia de janeiro e o mandato vai até o dia 31 de dezembro de 2024.

Outra cidade que teve nova eleição neste mês de dezembro foi Viçosa do Ceará. Lá, o eleito, Franci Rocha (MDB), já foi diplomado e tomou posse. Ele integrava o grupo de situação, então fará um mandato de continuidade do ex-prefeito Zé Firmino.

Deixe seu comentário

Mais notícias

Publicidade