Com filiação de Bolsonaro, PL no Ceará terá queda de braço entre aliados de Camilo e bolsonaristas

Foto: Reprodução

Após dois anos governando o Brasil sem pertencer a qualquer partido político, o presidente Jair Bolsonaro deve se filiar, nas próximas horas, ao Partido Liberal (PL). Junto a ele, seus aliados mais fiéis irão desembarcar na sigla comandada pelo ex-deputado Valdermar Costa Neto.

A chegada do presidente, no entanto, criou uma queda de braço ainda sem desfecho na sigla: em pelo menos três estados, o PL acomoda opositores ao presidente. Um desses casos é o Ceará – além de São Paulo e Bahia.

No diretório cearense, os opositores de Bolsonaro não devem deixar a sigla de imediato. Nos bastidores, eles comentam que vão observar como a sigla irá se comportar tendo o presidente em seus quadros. O PL no Ceará é comandado justamente por essa ala oposicionista. Acilon Gonçalves (PL), presidente do diretório local e prefeito do Eusébio, é aliado dos irmãos Ciro e Cid Gomes (PDT) e do governador Camilo Santana (PT).

Ainda assim, não será fácil manter a ingerência sobre a sigla no Estado, isso porque um grupo de bolsonaristas cearenses pretende se filiar ao PL, reforçando a ala que planeja apoiar Jair Bolsonaro. Entre esses nomes está o deputado estadual André Fernandes (Republicanos).

Nacionalmente, a legenda deu “carta branca” para que Costa Neto atendesse às exigências do chefe do Executivo nacional e firmasse sua filiação, enfraquecendo ainda mais a liderança dos nomes de oposição.

A não garantia de apoio em alguns estados foi um dos pontos que geraram desacordo, ocasionando no adiamento da cerimônia de filiação de Bolsonaro, antes prevista para o último dia 22 de novembro.

A ANATOMIA DO PL NO CEARÁ

Apesar de ser comandado pela ala próxima ao PDT, o PL no Ceará abriga filiados dos mais diversos espectros políticos. O vice-presidente da sigla, por exemplo, o deputado federal Júnior Mano, é aliado do governador Camilo Santana, mas mantém diálogo com a base bolsonarista. Já nomes como o deputado federal Dr. Jaziel e a deputada estadual Dra. Silvana são aliados de primeira ordem de Bolsonaro e fazem oposição a Camilo Santana.

UM NOVO PL NO CEARÁ

Conforme informações colhidas nos bastidores da sigla, a expectativa é de que esse discurso do deputado federal ganhe ainda mais força com a chegada dos novos integrantes da legenda no Estado. Além de André Fernandes, que está em Brasília para a filiação de Bolsonaro, o vereador Inspetor Alberto (Pros) deve se juntar ao Partido Liberal.

“No PL Ceará, vamos ficar na base do pré-candidato ao governo, Capitão Wagner. A gente pretende, sim, atrair filiados, lideranças políticas e políticos, como, por exemplo, o vereador Carmelo Neto e o Inspetor Alberto, além de outras figuras de direita do Estado. Sobre ser base do governo Camilo Santana, isso vai mudar. Vai haver sim mudança no diretório estadual”, garantiu Fernandes.

O vereador Carmelo Neto (Republicanos), que também acompanha a filiação do presidente na Capital Federal, confirmou que irá “trabalhar nesse sentido”. “Como não tenho janela partidária, preciso estudar as possibilidades de deixar o meu”, ponderou.

 

Com Informações do Diário do Nordeste

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais notícias

Publicidade